Poema Risco

Poema Risco – 2013

Poemas do autor escritos em palitos de fósforo

Dimensões variadas

A palavra que quebra a linha se incrusta na pedra e adquire a atração dos astros. O tempo do verbo e sua conjugação, a quimera que queima, e não é em vão: viram matéria, ciclo. Onde o acaso e não por acaso infundem a charada do inexplicável e suspende o vício da lógica, do gesso. Tudo em poesia é possível e passível de transformação, a linha, o risco, a iminência.
O poema quer ser vida, germina no universo imaginado, invólucro e mais que perfeito das estrelas e se consome em luz e calor e, nesse movimento, algo que ganhamos ou perdemos, algo que fica.

versão em francês

Direitos reservados © Thiago Antonio